Vencer com seus próprios esforços


Vencer com seus próprios esforços

Estava um homem a descansar embaixo de uma árvore quando notou, pendurado acima de sua cabeça, um casulo de dentro do qual tentava sair uma pequena borboleta.

O homem passou a observar os esforços da larva, que inicialmente fez um minúsculo buraco na parede do casulo e depois começou a aumentá-lo, com enorme esforço.

As horas se passavam. O homem foi e voltou, mas a borboleta não fazia nenhum progresso em seu árduo trabalho. Apenas se debatia, alternando a posição do corpo, recém-formado. O homem, aflito com a situação do inseto, resolveu ajudá-lo.

Tirou do bolso um canivete e, com ele, de um golpe só, cortou o casulo que o prendia.
Imediatamente a borboleta se estatelou no chão e, por mais que sacudisse as asas, elas não respondiam, porque não haviam crescido o suficiente para aguentar seu peso.

Por falta de exercício para sair do casulo, ela estava muito gorda e não conseguia voar. Debateu-se assim por horas e finalmente morreu no meio da relva, deixando perplexo o homem que pensara em facilitar-lhe a vida.

Os seres humanos, assim como as borboletas, quando precisam sair do casulo, têm de vencer as dificuldades a partir dos seus próprios esforços. Excesso de proteção acaba por prejudicar a evolução e atrasar a mente.

Por isso, ao ter de enfrentar uma situação muito difícil, não se revolte caso você não encontre a ajuda esperada. Talvez, ter de se desvencilhar sozinho do problema seja necessário para seu crescimento.

Ao resolvê-lo, você estará pronto e livre, como uma borboleta, para continuar o seu caminho.

Marina Gold